3.4.7.1. Limites de Desempenho

a) Recalques diferenciais

Enquanto o recalque total da estrutura pode interferir em alguns aspectos de suas funções, como, por exemplo, perda de espaço no tabuleiro da ponte, no caso de encontros, é o recalque diferencial que geralmente provoca efeitos mais severos na estrutura.

O solo reforçado tolera grandes recalques diferenciais, e geralmente é a face da estrutura quem determina o limite desse recalque.

A Tabela 7, da BS 8006 (1995), fornece a recomendação para tolerância de recalques diferenciais em estruturas de solo reforçado ao longo da face.

b) Deslocamentos horizontais

Avesani Neto (2014) cita que Elias et al. (2001) apresentaram a curva da Figura 33, que permite a estimativa empírica do valor do máximo deslocamento horizontal devido à construção, em estruturas de solo reforçado.

c) Medidas de deslocamentos em muro reforçado com geossintéticos instrumentado

Avesani Neto (2014) apresentou resultados de instrumentação de um muro reforçado com geogrelha, com aproximadamente 12 metros de altura, tendo como face blocos segmentados, tipo Geobloco H, que foi construído em 2012, na região metropolitana da cidade de São Paulo. As leituras da instrumentação foram realizadas em seis pontos ao longo do muro, num período de aproximadamente um ano. As Figuras 34 e 35 mostram os deslocamentos horizontais e os recalques que ocorreram em todos os pontos do monitoramento.

A BS 8006 (1995) recomenda ainda que a deformação interna pós-construção da estrutura reforçada deve se limitar aos valores da Tabela 8.

O monitoramento, através da instrumentação do muro, mostrou que os maiores deslocamentos, horizontais e relativos ao recalque, ocorreram na fase construtiva. Nessa fase aconteceram 72% dos deslocamentos horizontais e 75% do total de recalque. O restante dos deslocamentos, que foram observados num período de 4 a 6 meses, foram devido à acomodação do solo reforçado e da sua fundação.

Conforme comenta Avesani Neto, os valores dos deslocamentos horizontais observados, nesse muro instrumentado, foram da ordem de 0,8% H a 1,6% H, onde H é a altura do muro; os quais são inferiores aos citados na literatura técnica: 1,3% H a 8,0% H. Os recalques observados variaram de 0,8% H a 1,3% H, e ficaram bem próximos do citado por Jones e Asan (1992), que prevê 1,0% H.