3.4.3. Embutimento do pé da Estrutura de Solo Reforçado

O pé da estrutura de solo reforçado deve ser embutido abaixo da superfície do terreno. O embutimento é recomendado para evitar a ruptura local por puncionamento ao redor da face da estrutura, e também para evitar o fluxo do solo similar ao piping dentro da estrutura. A definição do embutimento é mostrada na Figura 19. Segundo a BS 8006 (1995), o valor do embutimento do pé da estrutura depende de vários fatores:

  • Carga da estrutura que atua na fundação;
  • Profundidade da nevada (0,45 m na UK, mas não se aplica no Brasil);
  • Risco de piping se a carga hidráulica ficar retida atrás da face da estrutura de muros em rios e mar;
  • Risco de exposição do pé da estrutura, devido à escavação posterior à sua construção;
  • Risco de erosão no pé de muros construídos próximos ou para contenção de margens de rio e mar.

As estruturas de contenção em solo reforçado devem ter um embutimento do pé de pelo menos 0,45 metros, a menos que estejam apoiadas em rocha ou em base estrutural como baldrames, radier ou pavimentos antigos. O embutimento mínimo deve sempre ser maior que o indicado na Figura 19, o qual é aplicado à estrutura com L/H = 0,7 e para boas condições do terreno. Quando o solo de fundação tem baixa resistência, deve ser considerado um embutimento maior. Na Tabela 4 a profundidade do embutimento mínimo expresso em termos de altura mecânica do muro fornece um valor conservativo, e geralmente é usado para a dimensão inicial da estrutura. O valor do embutimento mínimo expresso em termos do fator de capacidade de carga na base do muro fornece uma solução mais segura.

Para estruturas de contenção sujeitas à ação da água de rio ou do mar, devem ser tomadas precauções de proteção contra erosão, com a utilização de rip-rap ou gabiões, para garantir a estabilidade. Nestes casos, um embutimento de maior profundidade do que o indicado na Tabela 4 deve ser adotado.