3.4.4. Estabilidade Externa


Na análise da estabilidade externa considera-se que a massa de solo reforçado é similar a um muro de gravidade, e deve ser verificada a possibilidade de ocorrer quatro mecanismos clássicos de instabilidade em estruturas de contenção: deslizamento, tombamento, problema de capacidade de carga da fundação e ruptura global, Figura 20. O efeito das cargas permanentes e outras forças atuantes na estrutura de solo reforçado, como sobrecargas, devem ser consideradas na verificação da estabilidade externa.

As propriedades que devem ser consideradas para o solo da estrutura reforçada, para o aterro complementar e para a fundação, assim como as cargas principais que devem ser consideradas no cálculo da estabilidade, são mostradas na Figura 21. Devem ser consideradas as propriedades de curto e de longo prazos do solo, para verificação das condições durante a construção, durante a vida de serviço da estrutura e também em relação às mudanças que possam ocorrer de pressão neutra. O empuxo passivo atuante no pé do muro ou da estrutura de contenção abaixo do nível do terreno deve ser desprezado, na consideração das forças estabilizantes

A estrutura reforçada pode ser construída com o mesmo solo local de reaterro, ou com solo ou agregado diferentes. O empuxo E, atuante na massa reforçada, pode ser calculado por uma das teorias clássicas de equilíbrio-limite (Rankine ou Coulomb).