5.2.3. Equação Final

Considerando-se as tensões atuantes sobre (p) e sob (p*) a camada de geocélula, como apresentado na figura 50, define-se a melhora devido ao reforço de geocélula ( I) como a subtração da tensão atuante sobre a geocélula daquela que efetivamente age no solo (sob a geocélula).

Da equação (31):

A capacidade de carga do solo reforçado com a geocélula (pr) será então:

Avesani Neto comenta que, conforme observado em diversos ensaios de laboratório (Dash et al., 2007; Han et al., 2008; Madhavi Latha et al., 2009), o aumento da razão de forma (h/d) para valores superiores a aproximadamente a unidade modifica o comportamento do reforço de geocélula. De acordo com esses autores, geocélulas de reduzida razão de forma ( h/d < 1,0 a 1,5, aproximadamente) possuem um comportamento semelhante a uma viga, que devido à flexão, exibe uma maior deformação e, consequentemente, conduz a maiores tensões de contato no solo de fundação. Além disso, nessa situação, a geocélula apresenta tensões de compressão em seu topo e de tração em sua base, com maior mobilização de tensões de cisalhamento. Entretanto, ainda de acordo com esses autores, reforços de geocélulas de elevada razão de forma ( h/d > 1,0 a 1,5, aproximadamente) possuem maior rigidez e se comportam como um bloco de fundação, com uma distribuição de deformações e pressões mais uniforme em sua base. Nesse caso, a principal forma de reforço é pelo espraiamento das tensões verticais. No presente método de cálculo, o efeito do confinamento foi limitado a uma razão de forma de até 1 (um), a partir da qual, na equação (45), esse parâmetro é limitado ao valor da unidade (1).

Uma vez definida a geometria da geocélula e do carregamento, a equação anterior foi retrabalhada de forma a se agrupar às constantes envolvidas, criando um novo fator adimensional denominado fator de reforço da geocélula (IG), fator este que é função apenas da geocélula e do carregamento: